não consigo amamentar

Não consigo amamentar, e agora? 5 dicas para superar esse desafio e não se sentir culpada

A amamentação é um momento muito aguardado pelas futuras mamães durante a gravidez.

Quem passou pela experiência normalmente relata um sentimento único, de amor e de conexão com o bebê.

Como nem tudo são flores, algumas mamães não conseguem amamentar.

Além de lidar com a própria frustração, precisam ouvir alguns palpites bem desnecessários sobre isso. 

Se identificou com a situação?

Este artigo vai te mostrar que não conseguir amamentar não é culpa sua, muito menos do bebê. 

Acontece, aliás, com muitas mulheres. 

E, caso esse não seja o seu caso, vamos lhe ensinar a ter empatia com mulheres que passam por essa dificuldade.

Vamos lá?

Por que eu não consigo amamentar?

Mesmo que a vontade de amamentar seja forte e genuína nas mamães, nem sempre o organismo responde. 

Não existe uma única explicação para isso. Normalmente, as causas são podem envolver situações fisiológicas, sociais e emocionais.

Principais causas de não conseguir amamentar

  • Dores
  • Pega incorreta da mama
  • Produção fraca de leite
  • Críticas familiares
  • Depressão pós-parto
  • Desinformação
  • Estresse 
  • Leite empedrado
  • Mastite
  • Mamilos invertidos
  • Mamilos rachados

Algumas mamães, inclusive, quando enfrentam dificuldades, começam a ficar nervosas, se sentindo culpadas e frustradas. 

Falta de apoio familiar, por parte do cônjuge, dos avós da criança e de pessoas do entorno acabam contribuindo para esse sentimento de fracasso.

A partir daí, a mãe acaba passando para a alimentação do bebê via fórmula, e desiste da amamentação. 

Depoimentos de quem já passou por isso

“Eu achei que amamentar fosse tão automático quanto ser mãe: se quando nasce um filho, nasce uma mãe, então essa mãe vai amamentar. Não necessariamente. Não se tiver mamilos invertidos, prótese, redução de mama, se sentir muita dor, se o leite não descer ou se secar – e o meu secou. Para uma mãe que sempre sonhou em viver o momento mágico-de-filme do filho mamando no peito, do olho no olho, da mãozinha segurando o nosso dedo, a notícia da mamadeira cai como uma bomba”.

O depoimento acima é da apresentadora de televisão Fernanda Gentil.

Mas poderia ser o de muitas mães cujo organismo simplesmente não facilita o processo de amamentação.

Fernanda disse que, quando começou a alimentar o filho com a mamadeira, se acalmou.

Percebeu que não é somente a amamentação que estabelece o vínculo entre a mãe e o filho.

É o olho no olho, é o contato entre as mãos, a proximidade do bebê ao corpo da mãe. 

Ser mãe é muito mais do que amamentar, então, por favor, não se culpe.

Lembre-se de que seu filho precisa de você inteira, saudável e feliz. Isso será muito mais importante que a amamentação!

Sim, o leite materno é a melhor opção. Não estamos discutindo isso.

Mas, se não houver a possibilidade de amamentação, há, sim, outras opções!.

Outra mulher famosa que passou por isso foi a atriz Taís Araújo

Mãe de dois filhos, Taís teve uma infecção urinária pouco antes de dar à luz à segunda filha, Maria Antônia. 

Como precisou tomar antibióticos pouco antes do nascimento da bebê, Taís foi impedida de amamentar, e sofreu muito com a situação.

“O problema é que descobri isso na hora que fui parir. Quando eu fui tentar dar o peito, ela não aceitava. Aí era Maria Antônia chorando de um lado e eu chorando de outro. Foi desesperador até que minha irmã chegou para mim e disse: ‘Cara, deixa de bobeira! Não é isso que vai criar sua relação com seu filho com a sua filha. Amamentar é muito legal e você conseguiu com seu primeiro filho: lindo! Se não conseguiu com a Maria, você vai criar vínculos com ela de outra maneira.‘”

A ajuda da irmã, nesse caso, foi fundamental para que Taís superasse mais rapidamente esse momento difícil! 

E é mais comum do que parece.

Sabe quem mais teve problemas para amamentar?

As cantoras Adele e Kelly Rowland, as atrizes Jessica Biel, Jana Kramer, Christina Applegate, Angelina Jolie e Jessica Alba, e as socialites Kim e Khloe Kardashian

Os motivos são muitos – dores e falta de leite sendo os mais comuns. As atrizes Angelina Jolie e Christina Applegate não puderam amamentar pois realizaram dupla mastectomia, a remoção completa das mamas. 

Ah, e algumas mulheres ainda foram um pouco radicais: decidiram, por conta própria, não amamentar. É o exemplo das cantoras Jennifer Lopez e Beyoncé. Dor, novamente, foi o principal motivo.

Garantimos: nenhuma delas é menos mãe por isso.

5 dicas para ajudar você superar esse desafio

dor ao amamentar

1. Invista no aleitamento misto

Se o seu problema for pouca produção de leite ou, então, você consegue produzir leite, mas sente muita dor e desconforto ao amamentar, aposte no aleitamento misto – um pouco de leite materno, um pouco de leite de fórmula.

Isso significa que você não abrirá mão totalmente do aleitamento materno, mas, assim, o bebê não dependerá somente do peito para se alimentar.

2. Prepare o seio para a amamentação

Informe-se sobre a maneira correta de preparar o seio para a amamentação, já durante a gravidez.

Práticas antigas, como cortar o sutiã para expor os mamilos, uso de pomadas e uso de bucha nas mamas não ajudam – e, ainda, podem piorar. 

ebook berçário portal

Procure informações de qualidade, com orientação de profissionais – obstetras e pediatras ou consultores de amamentação, que poderão orientá-la durante o processo, antes e depois do parto. 

Após o nascimento do bebê, fique atenta à maneira como você conduz a mamada. A pegada incorreta do seio por parte do bebê pode causar fissuras e dores, que dificultarão a amamentação.

3. Tente manter a cabeça no lugar

Essa, talvez, seja a parte mais complicada.

Só quem já passou por isso sabe o sentimento de impotência e desespero que a dificuldade em amamentar gera.

Procure apoio e tente se manter calma, apesar de tudo. 

Isso porque o nervosismo ou o medo de não conseguir chegar ao objetivo pode provocar a redução da produção do leite. 

Os hormônios do estresse podem inibir a ação da prolactina, que é a produção do leite,e da ocitocina, o hormônio da tranquilidade, que faz com que o leite desça.

Quando estamos nervosos, liberamos adrenalina, que bloqueia a ação da ocitocina. 

4. Saiba avaliar o desconforto

Embora a amamentação ocorra naturalmente para algumas mamães, outras enfrentam dores e desconfortos no processo.

Geralmente, o começo é mais difícil. Como os benefícios do leite materno são muitos, a recomendação é de que as mamães tentem insistir um pouco. 

Isso porque a tendência é que o desconforto passe com o tempo – a mãe consegue coordenar melhor a mamada, a criança aprende a sugar direitinho, e tudo se ajeita.

No entanto, se esse desconforto não passar ao término do segundo mês, e a mamãe continuar sofrendo demais ao amamentar, é melhor conversar com um profissional para avaliar a possibilidade de aleitamento misto ou exclusivo com a fórmula.

5. Amamente em lugares tranquilos

Se você enfrentar dificuldades ao amamentar, pode ser que a criança comece a chorar.

Crianças choram quando estão com fome, especialmente recém-nascidos, e isso acaba deixando as mamães ainda mais nervosas.

Tudo piora se as pessoas do entorno ficam dando palpites ou dizendo à mãe que o leite dela é fraco.

Os especialistas garantem: não existe leite fraco.

Se o bebê não sugar direitinho, ou se forem impostos horários específicos para a amamentação, que nem sempre respeitam as vontades do bebê, ou se a pega não está sendo efetiva, o organismo pode acabar produzindo menos leite.

Respeite as vontades do bebê – ou seja, amamente-o sempre que ele quiser.

Além disso, procure estar em um local confortável, tranquilo e sossegado.

Se houver muitas pessoas com você – algumas, atrapalhando mais do que ajudando -, não tenha receio de pedir privacidade.

Quanto mais relaxada você estiver, mais natural será o processo.

O que NÃO falar para uma mãe que não consegue amamentar

Com frequência, as pessoas acabam sendo cruéis ao opinar ou tentar “incentivar” as mães que não conseguem amamentar os recém-nascidos.

  • “Mãe de verdade dá o peito.”
  •  “Você está com preguiça.” 
  • “Só o leite materno vai deixar a criança bem, você vai deixar o bebê doente.” 
  • “Não existe pouca produção de leite, você que não sabe estimular o peito direito.”
  • “Você não tentou o suficiente.
  • “Você não é uma boa mãe porque não amamentou.” 
  • “Comigo foi tão simples!”
  • “Você vai prejudicar o vínculo com a criança.”

Nenhuma dessas frases vai ajudar a mãe. 

Tenha certeza: quem falar isso, estará piorando a situação. 

Se a mamãe tiver de desistir da amamentação, será um momento muito doloroso para ela.

Acredite: a ampla maioria de mães que passar por essa experiência com seus filhos.

Se elas não estão conseguindo, demonstre empatia. 

Faça com que ela se sinta em paz com isso, não mais culpada. 

A pediatra e professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) Ana Escobar escreveu, em 2015, uma coluna atemporal e muito sensível sobre o assunto. 

Evite se influenciar pelos palpites

As mulheres são cobradas de inúmeras formas pela sociedade.

Precisam ser bonitas, educadas, boas profissionais, mães de família, dedicadas ao lar sem deixar de lado o desempenho no trabalho e, de novo e principalmente, bonitas. 

É claro que ser mãe vem com uma enxurrada de cobranças – do pai, dos pais da própria mãe, dos sogros, dos amigos e, mais uma vez, da sociedade.

Ignore os palpites. Se você estiver enfrentando essa dificuldade, que já lhe será custosa, feche os ouvidos para as críticas. 

Proteja-se! Busque apoio profissional – não só de médicos que podem lhe ajudar na amamentação, mas também de profissionais que podem lhe ajudar a manter a mente sã. 

A amamentação não definirá o vínculo com seu filho. A amamentação não define suas habilidades e capacidades como mãe, tampouco o tamanho do amor do seu filho.

Não se destrua com autocrítica e culpa. Seu bebê precisa de você!

Amamentando no peito ou com o leite de fórmula, você ainda será a principal conexão dele com o mundo.

A relação entre mãe e filho é especial e única, com ou sem aleitamento materno. E ninguém pode tirar isso de você.

Quer receber mais conteúdos sobre educação de bebês e crianças?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.